Jundiai - SP

Dor na boca do estômago logo após comer?

A dor costuma vir acompanhada ou precedida de náuseas, azia, queimação, vômitos? Perda de apetite, má digestão e presença de sangue nas fezes, além dos outros sintomas citados acima, costumam ser indícios da nada agradável gastrite.

A gastrite é uma inflamação da mucosa que reveste nosso estômago internamente. Pode também acometer o esôfago, como no refluxo esofágico, quando os sucos gástricos escapam pelo esfincter que separa os dois órgãos. Também pode afetar o duodeno, e nesse caso a lesão corre o risco de se tornar uma úlcera caso não seja adequadamente tratada.

Suas principais causas são o tabagismo, consumo excessivo de alcool, infecção pela bactéria H. Pylori, uso prolongado e indiscriminado de anti-inflamatórios e AAS – a famosa aspirina. Também existe a gastrite autoimune, na qual o exército de celulas protetoras do corpo se confunde atacando os próprios tecidos.

Ao invés de correr a farmácia mais próxima e tomar um anti-ácido, que tal pegar o telefone e marcar uma consulta com o gastroenterologista? Ele saberá indicar o melhor tratamento caso o diagnóstico seja realmente esse.

Existem várias causas para uma dor abdominal. O ideal é sempre procurar um médico da sua confiança para fazer o diagnóstico correto.

E como é feito esse diagnóstico? Além do exame clínico e do seu histórico, o exame mais indicado costuma ser a endoscopia digestiva alta. Um fino tubo flexível com uma minúscula câmera na ponta irá desvender o segredo. Permitindo ao médico visualizar esofago, estômago e duodeno por dentro. Não é tão invasivo quanto parece e são administrados anestésicos antes do procedimento. Na maioria das vezes, inclusive, o paciente faz o exame sedado. É necessário ainda um jejum de cerca de 6 horas anterior a hora marcada.

Diagnóstico nas mãos, faça seu retorno com o médico. Ele provavelmente irá lhe indicar a melhor dieta a adotar, além de hábitos de vida saudáveis. Durante a crise, talvez o melhor seja evitar gorduras, frituras, alimentos ácidos, chocolate, café, pimentas e dar preferência aos alimentos moles e fáceis de serem digeridos como frutas cozidas, verduras refogadas, legumes bem cozidos ou amassados em forma de purê e carnes magras cozidas como peixe ou frango. Suco de couve é incrível! Maçãs, mamão e bananas são ótimas!! Leite fermentado e iogurte também são muito bem vindos, porque ajudam a reconstruir a flora intestinal em geral afetada.

Outro alimento interessante para consumir é a biomassa de banana verde. Cozinhe seis bananas bem verdes com casca (e higienizadas) numa panela de pressão por 8 minutos com água quanto baste. Desligue e deixe fechado por mais 12 minutos. Quando a pressão terminar naturalmente, descarte a água e as cascas. Transfira a polpa para um multiprocessador ou mixer e bata até ficar homogêneo. O consumo pode ser imediato ou ser acondicionada em sacos próprios e congelada por até 4 meses. Adicionada a sucos, sopas, caldos, bolos, maioneses, patês, ela ajudará na boa digestão.

Importante é não ficar de estômago vazio por longos períodos! Isso faz o suco gástrico não ter nada para devorar… então, o devorado será o seu próprio estômago! Ah, e mastigue bem! O processo digestório começa na boca.