Jundiai - SP

Adesivo de nicotina, quando usar?

Adesivo de nicotina, quando usar?

Se você fuma ou conhece alguém que fuma e deseja parar, talvez tenha pensado já na possiblidade de usar adesivos de nicotina. E afinal, quando usar deste meio para acabar com o vício de cigarro?

O adesivo de nicotina é um medicamento indicado para quem quer parar de fumar, utilizado na Terapia de Reposição de Nicotina (TRN). O adesivo transdérmico permite que o corpo absorva nicotina através da pele, diminuindo os efeitos de abstinência da nicotina.

Entre os métodos disponíveis para a TRN, o que tem maior adesão é o adesivo de nicotina, por apresentar menos efeitos adversos e desagradáveis. Ele consiste em um adesivo que é colocado sobre a pele em qualquer parte do corpo (desde que não tenha pelos), e vão liberando nicotina sem interrupções por 24 horas, com o pico de absorção entre quatro e nove horas após o contato com a pele.

O tempo de tratamento para parar de fumar é de cerca de 12 semanas (4 semanas com adesivos de 30 mg + 4 semanas com adesivos de 20 mg + 4 semanas com adesivos de 10 mg). Porém, alguns indivíduos podem precisar de menos tempo, enquanto outros necessitam usar os adesivos por mais de 1 ano.

Como usar o adesivo de nicotina

O adesivo deve ser colado na pele em uma região sem pelos e que não sofra exposição ao sol, e pode ser usado por 24 horas, mas uma boa dica é colocar o adesivo assim que acordar e tirá-lo depois, para simular o ciclo de consumo de cigarros diário. Ao trocar, é preciso colar o novo em outra parte do corpo e repetir esse ritual todos os dias. Normalmente, indica-se colocar os adesivos no tórax, e uma região interessante é as costas, pois ele fica mais escondido e não há risco de exposição solar.

Vantagens e desvantagens do adesivo de nicotina

As quantidades de nicotina são controladas ao longo do dia quando se usa o adesivo, o que permite mais equilíbrio ao paciente. Além disso, as pessoas não sentem gosto nenhum e as pessoas só precisam se lembrar dele ao longo do dia.

Qualquer Terapia de Reposição de Nicotina tem como vantagem o fato de só repor a nicotina, poupando o até então fumante de estar em contato com as outras substâncias nocivas do tabaco (como o alcatrão, por exemplo), mas reduzindo as crises de abstinência, já que a nicotina é reduzida gradualmente. Não há risco do paciente viciar no adesivo ou em qualquer outro método desse tipo de terapia.

A desvantagem está no uso do adesivo durante todo o dia e nos riscos, embora mínimos, de ter alergias cutâneas.

Efeitos colaterais

O efeito colateral mais comum é a presença de irritações na pele que podem levar ao fim do tratamento, mas isso é muito raro, de acordo com os especialistas.

Leia também:   

Saúde mental, como encontrar o equilíbrio?   

O que é o Coaching e quais os benefícios que ele pode proporcionar?   

Coach Gislaine Bispo realiza palestra sobre bullying em escola Municipal de Itupeva 

Quem pode indicar o adesivo de nicotina

Os adesivos de nicotinas podem ser comprados na farmácia sem receita. Mas o ideal é que o tratamento seja orientado por um médico, para que ele possa aliar outras estratégias e escolher o melhor método para o seu caso, de acordo com seu histórico e grau de dependência.

Contraindicações

Por repor apenas a nicotina e em quantidades bem menores do que encontramos no cigarro, não há graves riscos, já que ela é mais responsável pelo vício por fumar do que pelos malefícios do tabagismo em si.

Justamente por esse motivo, não há muitas contraindicações para as terapias de reposição de nicotina, como o adesivo de nicotina, pois continuar fumando é sempre pior. Alguns especialistas alegam que mesmo pessoas com doenças cardíacas e gestantes podem fazer uso desses recursos, até porque não há provas de que esse tipo de tratamento cause problemas à saúde do feto.

Porém, novos estudos têm mostrado a relação entre a nicotina e o câncer. Um estudo publicado na revista científica PLoS One, em 2013 mostrou que a substância pode alterar a expressão dos genes das células, tornando mais provável o aparecimento da doença. Essas descobertas podem mudar as medidas de recomendação para esse tipo de terapia.